Dias frios, xícaras quentes



"Quando as pessoas são felizes, não reparam se é Inverno ou Verão."
Anton Tchekhov

Eu pulei um monte de postagens que já estavam prontas para serem publicadas aqui no blog. Mas, como todo leitor e escritor, vai saber entender o quanto precisamos às vezes, confessar nosso amor ao mundo pelo frio e xícaras quentes...
Pode parecer meio louco para começo de conversa, uma carioca da gema como eu, amar o frio; pois é, a cidade não consegue mudar meu jeito de ser, pelo contrário, por sempre existir muito mais calor do que frio por aqui, eu considero esses dias gélidos como uma benção celestial.
Aqui no "home office sweeeeet" eu me encontro; trabalho com muito mais alegria, escrevo com muito mais alegria, leio com muito mais alegria. O frio transmite aquela cena na minha mente de pertencer por um breve momento um lugar pela qual eu nunca conhecera, e este lugar nem existe por aqui (na terra, em realidade), são simplesmente pensamentos paralelos de encontros e desencontros com minhas memórias de histórias já contadas a muitos anos atrás por alguns escritores que eu admiro... São histórias inventadas que eu por diversas vezes desejei vivencia-las... Se você está lendo este texto, então provavelmente é um leitor, e por ser leitor, tenho certeza de que me compreenderá.
O frio, por mais que pareça às vezes ir embora, ele tem voltado com mais frequência aqui onde moro. E aproveitando esse momento que para mim é mágico, saí hoje para comprar alguns livros e tomar um café no Starbucks. Quem nunca?

E ao sair de casa vi o tempo nublado e cinzento. Mas, depois de ficar um tempo na cafeteria, ao sair do local, deparei-me com um lindo céu azul, porém, não estava quente, continuava frio; aquela brisa forte em meu rosto, aquele vento nos meus cabelos, porém, um azul tão forte no céu, que me pareceu pelo tempo que o contemplei o próprio paraíso. Talvez eu esteja exagerando, ou não. Eu tenho muita sensibilidade e consigo ver nas coisas significados que muitos não observam. Então, eu não me importo de parecer uma maluca que escreve neste momento na internet, só para retratar o quanto este momento me fez plena.
Tirei umas fotos, obvio. E fui para casa terminar o trabalho enrolada num cobertor quentinho, com chocolates e xícara de café quentinho ao lado. Acho que gosto de repetir este nome "quentinho". 
Canetas coloridas, marca textos, post its, agendas, livros, xícaras, objetos de inspiração e tantas outras coisas que "nerd" adora, agora está por cima de minha cama, tentando me ajudar a terminar o dia com muito mais doçura, simplicidade, e amor pelo que faço, de uma maneira que não poderia conseguir explicar...
Talvez daqui a algum tempo, eu ache essa postagem uma bobeira; por ser tão direta em relação a minha vida; mas, vale a pena, de vez enquanto, escrever coisas, que mesmo parecendo bobas, lhe fazem feliz.

Querido frio, volte com mais frequência, para que eu possa tomar mais vezes minhas xícaras de café, acompanhada de livros e escritas que tanto me preenche. 

Arte: Saskia Keultjes

2 comentários