Personagem




Por certos momentos você tem quase a absoluta certeza de que não passa de uma mera alucinação criada pela cabeça de um outro alguém. Um alguém que te conhece tão bem a ponto de escrever a tua história, de decifrar seus sentimentos e segredos mais íntimos. Você sente o olhar dele sobre você, e aprisionada em sua própria loucura, derrama as lágrimas que um dia ele as desenhou em seu rosto.
Como em um jogo de tabuleiro, onde você nunca poderá participar e tentar ganhar; pois você não passa da simples peça que se move de um lado para o outro contra a sua própria vontade.
Você deita no chão, fica ali parada, intacta, com os ouvidos atentos a qualquer ruído, a espera de uma resposta.
Mas quando ele acorda, você se esconde inutilmente; pois não há como escapar de seu próprio criador. Fugindo somente em teus pensamentos, você vive um ciclo atrás do outro. Sempre pronta para assumir o combate que na realidade não passa de uma vida banal que ele criou. Às vezes você pensa que poderia olhar através do espelho e conseguir enxergar o mundo lá fora. Um mundo onde a liberdade te esperaria de braços abertos e sua existência não seria extinguida através do tempo e das traças que te corroeriam sem ao menos sentir dó de um criador que meramente não passava de um homem egoísta, sempre atento a seus próprios interesses, corrompendo seu valor. Se ao menos você pudesse atravessar o espelho  que continua a te encarar e correr para longe dali em busca de um verdadeiro Salvador, você não deixaria jamais de tentar. Mas tudo o que você vê é o seu próprio reflexo, características que vivem mudando a ponto de não conseguir se conhecer mais. nem mesmo seus gostos e atitudes podem ser apreciados, porque simplesmente todos eles são mentiras.
Você se apavora ao perceber que o final de sua história se aproxima, e não há nada que você possa fazer para impedir disso acontecer... Então você fecha os olhos e cria sozinha o mundo que sempre desejou estar, o mundo diferente que nenhuma mente poderia criar. E se entrega ao mar da fração de segundo que você conseguiu criar. E então descobre que era lá o seu lugar.

0 comentários