Indiferença



"O maior pecado para com os nossos semelhantes, não é odiá-los mas sim tratá-los com indiferença; é a essência da desumanidade."


Estamos vivendo em um momento do tempo em que as pessoas estão a cada dia que passa mais indiferentes umas com as outras. Já não se perguntam mais se as outras estão bem, ou se precisa de algo porque realmente está interessado em saber, mas sim porque a educação naquele momento lhe cai bem. 


Se o próximo anda triste, oprimido ou até mesmo doente não é mais assunto seu. O que te importa neste momento é o SEU bem estar e nada mais. Já não existe aquela coisa de "se colocar no lugar do outro". Eu vejo muitos dane-ses por aí. Muito f#@-ses lançados nas bocas alheias como uma triste confirmação de que o ser humano está regredindo, congelando, ficando imune a emoções (como se estivessem contaminados por um vírus chamados "inumanidade").

Um dia desses assisti ao filme "O doador de memórias" e de fato, por mais fantástico que o filme pareça é assim que temos vivido. Nossas memórias andam curtas. Já não lembramos os atos bons, os sorrisos, os favores que fizeram por nós. O ato do amor, do carinho, do afeto, da amizade. Ou seja, a gratidão anda sendo enterrada junto com tantos outros sentimentos que não tem mais existido na humanidade. Sentidos tão pequenos para quem não sabe o que é verdadeiramente grandeza, desaparecem e despertam pessoas robóticas, narcisista, egoístas e patologicamente falando; psicopatas sanguessugas. E isso transforma um governo injusto, uma forma de liderar chefiada por trás de máscaras de grandes líderes. E eu não estou exagerando e nem sendo pessimista. Eu só sou uma pessoa humana, com muitos sentidos aguçados ainda, grata por isso e cheia de medo de perdê-los um dia. Para muitos este é o meu maior defeito. Para mim esta é minha salvação. Porque por mais que eu tenha que conviver com a indiferença alheia, eu ainda possuo o que poucos têm. O dom da sensibilidade, a vontade de viver intensamente nos pequenos e grandes sentidos, a ânsia pela eternidade e não pelo que muitos querem adquirir aqui, neste exato momento afim de lhes tapar o buraco do vazio que carregam; mas que jamais admitiriam para si mesmos que os possui. 

O mais triste de tudo isso... É saber que pela falta de sensibilidade muitos irão ler meu texto com indiferença. Como assistir a um filme sem observar as cores, ou comprar um perfume sem sentir seu cheiro... Olhar o mar sem compreender a origem de sua imensidão. "Abraçar" sem sentir o calor do toque. "Fazer amor" sem sentir de fato que cada molécula de seu corpo reage junto ao seu ato de amor. 

Muitos vão olhar para o espelho e enxergar aquilo que eles criaram, mas que estará longe de ser alguma coisa boa nesta vida.

A indiferença com o próximo e consigo mesmo frustará cada vez mais os dons que um dia lhes foram atribuídos, até que todos eles sejam enterrados e esquecidos em suas indiferenças.




1 comentários

  1. linda mensagem !
    amiga querida
    disse tudo
    amo seus textos
    esse é um texto que , se fosse remédio traria a cura para a Raça Humana que vive sem Deus no Coração concordo plenamente com seus escritos . A Musica Assim Caminha a Humanidade do Cantor Lulu Santos descreve em suas Letras sobre o quê você escreveu
    Assista O Filme Assim Caminha a Humanidade com James Dean o Filme aborda um tema parecido com o Escrito da Crônica
    sem Mais PS A Musica e Filme é apenas sugestão

    ResponderExcluir