Superfície



Sim, eu me incomodo sim, com pessoas jogadas ao chão, sem nenhuma mão estendida para que elas possam se levantar. Então, uso a minha indignação através das minhas palavras, na esperança de salvá-las desse vazio, deste chão frio que as congela e as fazem perderem o sentido a cada minuto que passa. Se sou dramática ou melancólica? Não, é fácil notares minha justificação: olhe ao seu redor e veja no que o mundo se tornou. Eu não sei escrever comédias, mas vivo da esperança de fazer um sorriso brotar daquilo que pude ensinar ou fazê-lo enxergar a verdade que nunca quiseram notar. Porque a cada dia que passa, as pessoas se tornam cada vez mais egoístas e egocêntricas, é difícil hoje em dia encontrar um coração humilde, que saiba o que é se sentir humano. Hoje, está tudo muito plastificado, sem emoções, encantamentos; pessoas fazem tudo para superar os outros e nunca a si mesmos, e com isso, as decepções aumentam, pessoas se adoentam, não aprendem a lidar com o NÃO que muitas vezes a vida nos traz. Com isso eu vou notando um mundo inabalável em sua superfície, e um desmoronamento grandioso por dentro dele. Algo tão inacreditável, que é literalmente impossível estar de pé. Pelo menos, não para si mesmo, enquanto aos poucos se despedaça, quando ao mesmo tempo tenta com agonia transmitir uma superfície feita de máscaras.



0 comentários