23 agosto, 2014

Sim, eu sou Cristã!


"Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo – a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre."

1 João 2.15-17

Sim, sou cristã! E às vezes me pego muitas vezes desviando assuntos sobre Deus e Sua magnitude por medo de ser "rejeitada" pelo mundo. Mas, hoje, Deus me fez ver que o nosso coração não pode estar divido entre o mundo e Deus.

Minha vida de cristã foi desde que me entendo por gente. Sempre orei a Deus e estive perto dEle desde que comecei a criar uma noção de consciência. Errei, como todos erramos. Pedi perdão. Estive perdida por muito tempo, mas agora me reencontrei em Cristo. Não sou santa e nem nunca serei. Não tenho direitos de julgamentos, assim como nenhum outro ser humano tem.
Não tenho preconceitos quanto à crenças ou modo de vida! Mas, sei que Deus me levantou para a Sua Glória e não a minha. Obedeço os conceitos bíblicos e não doutrinas do homem.
Não estou aqui para apontar e sim buscar amar e compreender ao próximo, mesmo que muitas vezes isso pareça difícil.
Estou aqui para concertar cada um dos meus caminhos tortuosos, que um dia desvinculando-me de Deus, permiti que ocorresse em minha vida.
Não posso oferecer uma amizade, se não me conheces de verdade. Então, essa sou eu, cristã, não religiosa. Temente somente a Deus e não à Igreja (porém, respeito os princípios das mesmas).
Quem quiser permanecer como meu amigo, eu abraço fortemente e acolho com muito carinho. Os que me tratam e tratarem com indiferença, acolho do mesmo jeito; e os que não suportam minha decisão de vida e pretendem argumentos todas às vezes em que eu postar sobre a minha fé aqui, eu peço, encarecidamente respeito, assim como eu vos faço a todos. E se partires, não serei eu que os jugarei.
Também já fui embora da vida de muitos que percebi que ali não haviam espaço para mim (aturavam-me por educação), ninguém é obrigado a me aturar (aturar minhas opiniões) por meus princípios, crença, modo de vida e opiniões.
A maior parte dos meus textos, pelas quais vocês se identificam são inspirados em minhas orações, leituras bíblicas e conversas com Deus. E sinto o quanto tenho mudado para melhor, cada vez que me aproximo mais dEle.
O meu maior desejo, (que fora perdido sim, por um tempo, porém, várias vezes me fez recuar para o bem, por saber o quão tola fui em diversas atitudes) é ajudar as pessoas. Mesmo que pela escrita, mesmo que por uma oração ou o que estiver ao meu alcance.
Já tive e tenho sentimentos humanos como raiva, frustrações, falta de fé e diversos outros sentimentos que em nada ajudam. No entanto, o problema das pessoas é acharem que os que temem a Deus não podem errar de nenhuma maneira e nem opinar em situações que não são abordados os temas centrais, que seria Deus e tudo que Nele estão envolvidos. Enganam-se! Minha crença não me separa daquilo que apoio e acredito, desde que seja lícito aos olhos de Deus, não vejo motivos de deixar de viver uma vida natural como de todos (mesmo que muitos afirmam que viver para Deus, não é viver naturalmente, não é ter uma cabeça abrangente e suficientemente aberta para o que vier ser opinado e contestado diante de todas as notícias, estudos e trabalhos que não envolvam conceitos religiosos). Afinal, o mundo é para todos, opiniões divergentes são naturais. A todo tempo tentamos nos conhecer mais e nos aprofundarmos em uma ideologia que nos traga paz, eu não sou e nunca fui contra isso.
E quanto ao seus livros Agatha?
Somente quem leu, sabe que me mantive fiel àquilo que acredito. E espero de coração que ele venha fazer um efeito muito bom para a vida de todos. Como o meu próprio editor já havia dito: - Seu livro é edificante!
E isso automaticamente me deixou muito feliz.
Por fim, eu, Agatha, ainda tenho tanto a aprender. Nada sei de fato, a cada dia que estudo, pesquiso, escrevo percebo o quanto preciso evoluir em todos os aspectos. Evolução é um estado que demora chegar ao seu extremo. Portanto, minha fé em Deus não interfere em minha vida social, pelo contrário, ajuda até.
Esteriótipos que criam sobre uma pessoa que crê em uma força excelsa não passa de ignorância.
Todos nós estamos aqui para aprender com nossos erros e permanecer felizes com os nossos acertos, a fim de buscarmos algo em comum e universal, a nossa paz.



22 agosto, 2014

Maturidade


Chega um dia, em que você levanta de sua cama e anseia por mudanças. Não que algo esteja errado dentro de você ou com o seu universo exterior.
É simplesmente a fase do (eu mudei), para melhor é claro!
Certas coisas que antes eram urgentes, já não são mais assim tão urgentes. Você percebe que você e seu tempo é a coisa mais importante do mundo, então decide começar a gastá-lo com o que realmente lhe traz paz e felicidade.
Isso não é ser irresponsável, é ser mais seletivo!
Então, você junta tudo na mesa, e separa o que é prioridade em sua vida e o que não faz nenhum sentido para ela. O que te trará crescimento espiritual e sabedoria; e o que te trará futilidades e vazios, e joga fora aquilo que te faz menos humano.
Antes, você se espelhava em alguém que você muito admirava, hoje você percebe que moldou a si mesmo no espelho, e que mais nada, além da sua essência poderia lhe preencher mais do que isso.
Competições, provocações não passam de uma tolice sem limites que chegam lhe dar náuseas e dor de cabeça.
Você percebe que todos tem um lugar ao sol, e que o seu está lá, intocável. 
Você amadurece a ideia a cada dia de que cada um com suas experiências formam uma camada de informações fundidas que ao passar do tempo, trouxeram-lhe conhecimento. Mesmo que essas pessoas não sejam maduras, ou outras tenham passado do ponto e apodrecido.
Você já não olha mais para as suas cicatrizes com vergonha, você olha com orgulho. Porque você admite seus erros e se perdoa. Você perdoa também todos os que fizeram parte de cada uma delas.
Suas noites de sono já não são mais perturbadoras, ansiosas pelo o que vier a ser no dia seguinte; porque você toma conhecimento que o dia seguinte pode nem sequer chegar para você. Cada segundo de vida tem sua importância, mas importância com leveza, suavidade. Jamais desespero!
Bate o horário e você antes quando não conseguia cumprir com o prometido, se descabelava, se torturava para nada. E com o tempo você percebe que se desgastar é inútil, nada mudará o que se passou, ao contrário, só piora. Então, você se torna uma pessoa mais zen, que se cobra menos e se atém aos seus princípios e os mantém vivos, simplesmente por ser uma pessoa de palavra.
As coisas da vida se tornam simples, e tudo que é complicado demais você tira de sua gaveta e joga pela janela, deixando o vento definir qual será o destino daquilo que tanto se complica.
O valor dos números para você já não tem mais seu significado, e sim o valor que os poucos lhe apresentam.
Você deixa a vida bater em sua porta como uma suave brisa da manhã. Você aceita que ela entre com todas as boas novas e se deixa ser feliz sem medos que possam lhe atar.
Você já não tem mais medo de expôr aquilo que te emociona ou o que te incomoda. É seu direito, você é humano.
Você se permite errar sem que perceba e com maturidade conserta-os sem se flagelar como antes.
Você se permite mais, se perdoa mais, vive mais, arrisca mais. E não existe ninguém com status de psicólogo que possa roubar sua paz, pois o conhecimento virou seu habitat, e nada é tirado de alguém quando ela é ciente de tudo que viveu e que somente aqueles que viveram as mesmas coisas que ela, poderiam repreendê-la.
Você não tem medo mais de errar, porque compreendeu que foram através de cada erro que cometeu que aprendeu a se perdoar e evoluir como ser humano em todas as partes de sua vida.
Você já não liga mais para julgamentos alheios, pois, conhece a si mesmo (a) e saber disso é o maior gozo que você poderia se auto proporcionar.
Você não valoriza mais tantos rótulos, sejam eles de pessoas, marcas, status de vida ou diplomas. Você não nasceu com eles e toda a sua sabedoria não foi concebida por eles, que não fosse antes estudada e sacrificada por você somente.
Você quebra preconceitos, desmascara rótulos, gente plastificada que aponta já não faz mais parte do seu círculo de amigos, família ou vínculos profissionais.
Você se dá o direito de tirar um tempo só para você e mais ninguém. Você se permite viver e fazer aquilo que lhe faz bem. 
E você se torna livre a cada ato determinado e posto em prática em sua vida, nascido naturalmente, mudado em sua mente, para lhe trazer a fonte do discernimento, a fonte da vida, a raiz de seu alicerce. Onde nada pode lhe arrancar, nada pode lhe deter, nada pode lhe mudar, além de Deus.