15 março, 2014

Cacos Pelo Chão





O toque do relógio soa. É hora de recolher os cacos pelo chão, afinal, a magia acabou e tudo se fez morto. 

Aqueles olhos, aqueles olhos, aquela boca que nunca poderei saborear novamente. Seu toque frio e distante de minha face, uma bela utopia do amor impossível... Um belo fragmento riscado em um papel amaçado, borrando as letras de seu nome com as lágrimas que caem dos meus olhos... Naufragando-me. E eu recolho o que restou do meu coração quando ele fora estilhaçado. Tentando juntar os pedaços, tentando parar a dor de uma ilusão desmedida, uma loucura inquietante de minha mente, sem que ele possa imaginar o tamanho de todo esse sentimento.

Mas ele partiu, deixando um grande buraco dentro do meu peito, asfixiando-me pela dor, pelo vazio que ficou em meu quarto, em meu coração.
Às vezes eu acho que dizer adeus foi o melhor que poderia acontecer em uma situação onde só um amava e o outro odiava.
Odiava não poder mais corresponder o amor que eu sentia loucamente, odiava não poder mais me dar as mãos e voar  sobre um céu de nuvens feitas de algodão doce.
Oh! Era tão doce, o nosso amor era tão doce e agora o que restou foi o gosto  salgado de minha lágrima.
Mas ele partiu por minha causa, eu nunca tive coragem de dizer que todo aquele amor era muito mais forte do que nós dois imaginávamos. Antes era uma aventura, na esperança de conquistá-lo, mas a covardia foi grande demais para não mostra-lo o meu coração e toda a intensidade que vibrava dentro dele.
Agora ele está quebrado, como cacos pelo chão, enquanto choro na esperança de fazer com que tudo volte ao normal.
Sorrindo, tentando enganar a mim mesma...


11 março, 2014

A Rede: A Liberdade está lá Fora



Sempre existirá uma tela em branco lhe dizendo: Entre!
Aqui poderá escrever o que seu coração reflete, consequências não são medidas pelos seus atos; um lugar onde você poderá mostrar quem você é ou simplesmente o personagem que você atua o tempo todo.
Este é o lema para todos os que estão conectados às redes, vivendo nelas, enquanto estão desconectados da vida.
O que a internet tem a nos oferecer, vai além de nossas compreensões. Pois, você pode ser o que você quiser, conseguir o que quiser, ter o que quiser dentro desta tela ilusória que rouba teus sonhos.
Sonhos que viviam conectados na vida real, fora da tela, fora do surreal, causando sua vida superficial demais agora, a ponto de deixá-los cegos.
Ela mostra o quão suntuosa é: -  Não há quem escape de mim, eu sou o presente e o futuro, algo que deixou de ser “a segunda opção” e passou a ser o “primeiro comando” de todas as vidas.
Eu sou àquela que torna real os sonhos de muitas pessoas que não foram capazes muitas vezes de abandonar a preguiça ou o desânimo e correr atrás daquilo que elas desejaram; em vez disso, elas correm para mim, sabendo que realizarei seus desejos, fazendo elas serem quem querem ser, ter o que quer, sem que tenha que lutar ou esperar por isso, sem que isso esteja de fato em suas mãos.

As redes não passam literalmente de laços invisíveis pela qual te faz presidiário em sua própria mente, colado em sua própria cadeira.
Criam competições, como se elas fossem reais, mas nunca serão; pois nunca saberemos quem são os que mostram os seus rostos sem temer o que vier a ser, ou aqueles que usam máscaras para fingir ser aquele que nunca será.

Ela virou algo primordial como a água que bebemos e a comida que comemos. Pera ai? Acho que ela está um degrau acima dessas necessidades básicas que o homem possui e precisa realiza-lo para conseguir sobreviver. Pois, muitas vezes esquecem de comer, esquecem de beber, esquecem de dar uma caminhada e ver o céu, esquecem de viver. Pois a tela, sendo branca a convidar-lhe para escrever ou sendo cheia de palavras, todas jogadas ao vento, porque ninguém põe em prática aquilo que lê, e quando põe, só são palavras vazias que não fazem sentido, para mais uma vez ofender e entrar em guerra com a humanidade pela falta de coragem de enfrenta-las cara a cara.

Parece pessimismo? Talvez. Não estou dizendo o quanto ela não é útil. E sim, o quanto ela tem nos tornado presidiários de ilusões, mais que utópicas e surreais, prisioneiros de nós mesmos.

A rede é uma hipnose, passe o tempo que for, sempre estará olhando para ela, como se sua vida dependesse disso, como se o paraíso existisse por de trás das telas coloridas e pintadas de coisas atraentes, chamando o seu olhar, o convidando a entrar. Pois é um subterfúgio que criamos para não ter coragem de enfrentar o que vem da realidade.

Eu desejo que tenhamos mais vontade pela vida, mais caminhadas, mais pôr-do-sol, mais brisa em nossos rostos, mais momentos com nossos amigos e família. Desejo que aprendemos a usá-la com sabedoria, para nos trazer algo benéfico e não destrutivo em nossas vidas. Que compartilhar não seja só mais uma nova figura de linguagem e sim uma realidade da verdadeira felicidade que você vem construindo com o que de fato vale a pena.
Que venhamos olhar mais para aquele que está ao nosso lado, brincar mais, gargalhar mais, sem precisar ironizar a vida, sem precisar levá-la com um peso enorme da maldade que se cresce em cada coração por julgar algo de um jeito que talvez não seja.

Eu desejo liberdade e felicidade! Eu desejo sorrisos e equilíbrio!
Eu desejo o melhor  daquilo que está lá fora...