Felicidade Fake



Hoje de manhã eu li um texto que não passa de uma triste realidade, clique aqui para lê-lo. Porém, ninguém liga (a começar por não ler esse post). Hoje de manhã, eu estava exatamente pensando sobre isso, sobre como mudamos uns com os outros por causa de status, como passamos a adquirir coisas desnecessárias para exibições ou feito de nossas famílias formas de mostrar ao mundo o quanto somos felizes.
Se não saímos de casa, ou viajamos, ou não temos um emprego perfeito, ou marido e filhos perfeitos somos verdadeiramente infelizes para a massa. E como as pessoas tem pagado um preço enorme para "PROVAR" (mesmo sabendo que todos sabem que contos de fadas não existem) suas felicidades perfeitas.
E tudo isso usando a rede social como um meio perfeito de COMUNICAR AO MUNDO suas perfeições.
O mais triste de tudo é saber que, no fundo, todos sabem que não somos perfeitos, que todos temos uma imperfeição, ou problemas, e mesmo assim preferem continuar presos na ilusão de que a vida alheia são feita de pura açúcar em casa de festa de criança, onde o mundo é só diversões e sorrisos, onde a dor e as lágrimas não persistem, ou sequer existem.
Tenho certeza absoluta de que para tudo existe um equilíbrio. E não faria mal algum se você participasse dessas redes sociais com os dois pés fundados no chão, certos de que o mundo do outro não é perfeito, tão pouco o seu.
Porém, o instinto de disputa faz com que o ser humano chegue ao nível maior de bizarrices, onde passamos a olhar para as suas fotos e postagens e perceber o quão plastificados são. O sorriso forçado, a forma como agarra o marido obrigatoriamente para tirar um selfie neste meio tempo, a forma em que se sacrifica o ultimo dinheiro de emergência para comprar um sapato super caro só para postar na internet, e depois deixa-o aposentado no guarda roupa por ele dar bolhas nos seus pés.
Eu não sou contra a compartilhar, eu compartilho. Não sou contra a você ir lá e postar uma foto seja do que for desde que seja espontânea, seja real e verdadeiro aquele momento. Também não sou contra as fotos auto-criativas desde que tenham uma mensagem bacana para levar a sociedade, como inspirar pessoas.
Não sou contra as redes sociais desde que as pessoas não esqueçam do que é viver verdadeiramente, ser feliz em off, ser feliz para si mesmo e mais ninguém. Sentir a sensação de que não é preciso se obrigar a provar nada para ninguém, aprender a deixar de lado as opiniões alheias, deixem que falem, deixem que pensem o quanto você é infeliz, desde que sua vida e sua paz interior esteja em dia, não há o que temer.
No entanto, não é assim que funciona na realidade. Ninguém quer ficar "por baixo" de situação nenhuma e mutila a si mesmo e seus próprios nervos a ter que admitir que sua vida não é tão perfeita assim, mesmo que todos já saibam, mesmo que já seja tão obvio.
Preferem arriscar a paz em ser feliz em off pela guerra em disputar online essa vida que nada mais é do que pura utopia, desculpem os tolos, mas são nada mais do que puros idiotas da sociedade.

0 comentários