Preconceito: Lavagem cerebral da "massa" ou de si mesmo?



Andava meio sumida com meus comentários a respeito de opiniões e pensamentos. Nem tudo vira crônica, não é mesmo? Temos que saber adquirir o dom da escrita para outras coisas que precisam ser debatidas. E hoje eu venho com um tema muito complexo e feio que é o preconceito em todos os sentidos.
Não estou falando de homossexualidade ou de raça, mas também de estilo de vida, de algo que erramos e a sociedade não nos permite esquecer nossos erros como se toda a “massa” fosse importante mais do que a “divisão” de suas partes, digamos assim.
A opinião que o ser humano forma ao longo do seu desenvolvimento como indivíduo, a forma com que ele é manipulado por essa “massa”, desprezando o que de fato deveria dar a atenção devida.

O feitio como as pessoas têm se preocupado mais em apontar os erros alheios do que ajudar um necessitado. Nossos valores estão se perdendo a cada dia que passa; basta você ligar uma TV ou pela sua própria rede social ver pessoas atacando pessoas. A forma como inconscientemente nós fazemos isso não por estar de mal com a atitude do próximo, mas por não estar feliz com nós mesmos. E isso é uma realidade tão impérvia que o ser humano prefere descontar sua ira nos outros, usando o preconceito, a mesquinhez e falta de amor ao próximo.
E não há ninguém que escape desta “massa”, nem mesmo eu, a autora desta crônica. Há uma “massa” mais vulnerável e menos mesquinha, se é que isso exista, mas há a mais cruel de todas: a que age direto no coração do ofendido.
Somos todos não mais do que a soma de nossos erros e acertos, assim construtores de pontes para o céu (perfeição) em busca de satisfação da alma e do corpo, em busca da felicidade em sua total amplitude. Porém, muitos buscam essa felicidade na desgraça alheia para provar a si mesmo de que seu desvio de conduta para com a sociedade e o próximo não é nada a respeito daquele que esta sendo subjugado e humilhado. Uma forma de “tampar o sol com a peneira” ou de “pôr a sujeira em baixo do tapete”. Uma forma medíocre de tentar justificar seus próprios erros, uma forma mesquinha e egocêntrica; onde tudo o que estiver a favor de si mesmo é paraíso e perfeito; e tudo que ressaltar suas angustias, fraquezas e subjeções diante de seus defeitos são pura bizarrice e fora de contexto. Nada é padrão quando não é estabelecido por essa “massa” da sociedade que nos corroí e nos leva a destruição de nossa existência sem que sejamos lembrados com bons olhos, sem que sejamos lembrados de fato.
É fácil dizer o que é certo ou o que é errado quando isto é o que ressalta suas qualidades ou esconde seus defeitos.
Difícil será encontrar alguém que de fato esteja pronto para encarar os desafios da vida e dar à cara a tapa como brinde de sua aceitação como um ser errante perante toda a sociedade.
É simples ligar a TV ou ridiculizar os outros, QUANDO a graça não está sendo você.
Lembro de um livro que eu relutei em ler de Umberto Eco quando fazia Literatura Portuguesa e achava que sabia de tudo, quando na verdade não sabia de nada; muito menos das companhias que me cercavam e me fazia sentir como uma querida amiga, quando na realidade a “massa” ria pelas minhas costas... Saiba que isso acontece com todo mundo, por isso a lei do retorno faz valer muito bem. E por isso não existem vítimas nesses aspectos, quem não sofreu com bullyng por exemplo? Tentar destacar sua carreira ou coisa do tipo só pelo fato de isso ter ocorrido contigo é hipocrisia! É como se você fosse o único coitado da face da Terra, enquanto há pessoas que de fato sofrem, e não é com bullyng, ou qualquer outro tipo de gozação e sim com agressões, fomes, drogas, falta de vida dentro de si mesmo. Mas cada um aguenta o que consegue suportar. Mas Bullyng é agressão Agatha?! Sim, é! Mas você pode vencer isso... Enfrentando-os! E os que não tem opção nem para enfrentar algo, é isso que quero que pensem...
Voltando, o nome do livro é “O nome da Rosa”, neste livro relata a proibição do riso, naquela época (1327 precisamente) o riso era visto como escárnio e maldizer. E o que mudou? Nada! Nós, todos, e não há quem escape, sempre acha algo engraçado quando alguém cai, ou faz algo engraçado para a vergonha dele ou etc... Mesmo que isso seja em ficção como em um filme. Mas a realidade é que para acharmos graça em algo, precisamos ver alguém se dando mal.
O pior não é isso, pois até quem se dá mal sente (muitas vezes) graça de si mesmo ou se auto ridiculariza para dar riso ao povo.
O que passa dos limites é você ver pessoas rindo de outras que não quiseram ser engraçadas, que não são engraçadas. E por quê? Por que aquela pessoa tem que sempre rir de alguém, ridicularizar alguém para que ela não se sinta ridicularizada por si mesma.
As pessoas vivem correndo de si mesmas, de seus próprios erros, de sua própria natureza. Sentem vergonha de si mesmas. Quando batem com suas cabeças em seus travesseiros elas não riem, elas choram por ser uma farsa. O que é muito pior de ter sido ridicularizada, porém, ter sido verdadeira consigo mesma em busca da auto aceitação interna e não da “massa”, onde ninguém é padrão; e do crescimento como ser humano.



15 comentários

  1. essa crônica Agatha de Assis até parece uma aula que eu tive no curso de Psicologia na aula de Ética amei essa crônica parabêns você é nota 1000
    sucesso sempre grande beijo com todo respeitoda
    O livro de Umberto Eco O Nome da Rosa citado no texto faz de uma trilogia
    1 O Nome da Rosa
    2 O Pendalo de Foucoult
    3 O Cemitério de Praga
    Ps eu sei porque eu tenho os três e eu li uma matéria numa revista de nome Psicolgy Scientific bem por ora é solamente isso.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, estou sabendo disto. Mas me falta coragem para ler... Obrigada pelo comentário Claudio, vc é um doce.
      Bjxx

      Excluir
  2. Eu não tenho muito a dizer.Porque vc ja disse tudo.E concordo.As pessoas tem vergonha de si mesma portanto procura motivos para rir de outras pessoas.As vezes elas se passam por sua amiga para saber tudo sobre vc.E sobre o preconceito existe sim varios de preconceito.Como tambem existe varios tipos de discriminação.Hoje em dia os valores estão sendo esquecidos.E motivos não existe para ter esses preconceitos porque não passa de criação do homem.O homem vive criando como tambem matando.Eles matam os valores das pessoas,animais,planetas etc.E acho engraçado isso quando a pessoa pensa em si esquece que outros tambem tem situações dificeis.E quando pensa nos outros não pensa que ele tambem erra.Não pensa que da mesma maneira que ele ver outra pessoa tem alguem que ver ele igual.
    Gostei da materia!achei super interesante.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente disto que se trata a minha redação.
      Obrigada pela visita Thami e volte sempre.
      Bjxxx

      Excluir
  3. Está corretíssima, mana, te apoio totalmente. Nessa sociedade que vivemos, somos apenas usados e quem se deixa usar está errado também. Cada um quer o melhor de si, mas ajudar o próximo que é bom, nada...

    ResponderExcluir
  4. Hoje, Agatha, vivemos na era do "tudo funciona com o aperto de um botão". Basta um clique para que mil maravilhas aconteçam. Traduzindo, chegamos à era da rapidez. Tudo é rápido. Nossa rotina, nossa vida, nossas conversas, leituras, tudo! Desistimos rapidamente, ofendemos rapidamente, agimos rapidamente, mas, ao contrário, não fazemos o que deveríamos: pensar rapidamente. Ninguém pensa mais. Refletir? O que é isso, Deus? E quanto aos preconceitos, mal do século. Somos, ao mesmo tempo, tão livres e tão presos. Os programas de humor satirizam a desgraça do povo, assim como faz graça e pouco do sofrimento de pessoas em particular. Vai dizer que o humor de hoje não é baseado no "fulano caiu", "ciclano se ferrou", "beltrano perdeu tudo"... kkkkkkkkkkk Riam, riam, riam, aplaudam! Com a vida entrando num sistema como o do século XXI, fica difícil ter tempo para pensar, refletir, ler, conversar e viver o lado bom da vida. Hoje, Agatha, temos tempo apenas para executar: tarefas, favores, missões, etc. Quando nos resta uma folguinha, o que fazemos? Nós ligamos a TV pra RIR das vídeo-cacetadas, RIR dos gatinhos que tropeçam nas próprias patas, RIR dos bêbados que cambaleiam nas ruas... RIR dos outros. Enfim, geração do povo empesteado de porcarias. Entretenimento virou sinônimo de fazer e respirar besteira.

    "Um dia, o mundo ficará caótico. Haverá tanta gente, que será necessário bilhões de empregos para sustentá-las. A humanidade irá cair numa tragédia chamada rotina. Nela, as pessoas estarão tão atarefadas que não será possível adverti-las sobre tudo o tempo todo. Elas irão cair em poços tão fundos, que será quase impossível tirá-las de lá. E isso transformará irreversivelmente a vida humana. Estaremos sujeitos à própria sorte, à desgraça de nosso próprio erro... ou descontrole, como queiram chamar. Lembrem-se: o mundo, um dia, ficará caótico."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, exatamente. Concordo contigo Rafael, e é isso que me faz chamar a atenção ou não. Gosto de usar meu blog como um espaço que tenho para por meus pensamentos em prática.
      Se lendo ou não isso fará sentidos as pessoas, eu sinceramente me importo sim, mas não poderei fazer nada.
      Então, seguirei com o meu blog da forma que surgiu a base de opiniões e crônicas que surtem sim, em poucos talvez, efeito.

      Excluir
  5. Este seu texto flor, só me confirma o que eu já supeitava. Ainda existem pessoas com o caráter íntegro neste mundo. Pessoas como você, que ainda se incomodam e se sentem inconformada com a crueldade humana. É verdade , o ser humano desde de sua aparição como "civilização", evoluiu frenéticamente em relação a tecnologia, mas ainda parece manter vivo e ávido dentro de si o mesmo istinto brutal de dez mil anos atrás. Enquanto no campo tecnológico evoluímos de maneira absurda, moralmente engatinhamos e nos mantemos tão sujos, cruéis e dissimulados quanto nos tempos de pão e circo quando Roma ainda era dona do mundo. E realmente isto é lamentável, mas existe uma ponta de esperança, uma luz em meio as trevas em que vivemos. E esta luz, são pessoas como você moça. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  6. Não tenho o que dizer. Você está certíssima! O preconceito, o bulling, as agressões são resultados de pessoas que tem problemas consigo mesmas. No caso, a pessoa tem um problema, procura chacotear outras para que não haja oportunidade de outros voltarem os olofotes para ela e a ridicularizarem. Pessoas... nem sei como conceituar. Só sei que apenas são "felizes" tornando outros infelizes. =/
    Tipo de pessoas que convivo no colégio. São horríveis.

    ResponderExcluir
  7. texto muito bem feito vc escreveu a mais pura verdade ai tbm ja sofri bulling mas eu me sai bem porq soube lidar com essa situação. mas lamento pelas pessoas q nao conseguem lidar de uma forma que vc possa inverter as ações do (agressor) em questão fazendo o agressor ver q esta fazendo a coisa errada e acabar te adimirando invez ce te humilhar, acho bulling muito ruim mas isso sempre ira existir no mundo..infelizmente... adorei agatha bjos

    ResponderExcluir
  8. Agatha eu não tenho muito a dizer vc já disse tudo.Um texto muito bem escrito e relatando a mais pura verdade, o mundo hj esta mais preocupados com detalhes do que com pessoas e com o que esta acontecendo em sua volta, fome, drogas, desemprego, filas nos hospitais, falta de remédio entre tantos. Muitas pessoas sentem vergonha de si mesma procurando motivos para rir dos outros sem ao menos se preocupar com os sentimentos alheios. Muita gente as vezes se passa por sua amiga para saber tudo sobre vc, invejando-a. Vivemos num mundo onde existe vários tipos de preconceitos e onde ninguém está realmente preocupado com você ou o que está sentindo naquele momento, tudo é esquecido,é como se passassem uma borracha em tudo, o que foi matéria ontem, hoje já não é mais. Infelizmente esse é o mundo em que vivemos.

    Adorei a materia.

    Bjocassssss

    ResponderExcluir
  9. Agatha,tentei postar um texto enorme aqui,e hoje da mesma forma postei outro,diferente devido ao improviso,mas não nenhum dos dois entraram com cliquei em publicar.

    ResponderExcluir
  10. Agathita ---> Como sempre vc arrasando em seus textos, sempre verdadeiros.!
    Amiga, falar o que de tudo isso? Já passei e ainda passo por situações como essa. Hoje em dia obviamente amadureci e não consigo sorrir por sorrir. E por esse motivo, muitas das vezes sou intitulada mal humorada, entre outros. Porém, não posso negar que ainda, em algumas situações sinto-me forçada a sorrir. Quanto a falta de respeito com os outros, no quesito "zoação" [...] ainda faço isso, até comigo mesmo, pois gosto de dar risadas. Mas, sei muito bem com quem e quando brincar.
    Na verdade, acho hipocrisia pessoas dizerem que não se divertem com certas situações. Veja bem [...] eu disse "se divertir" e não magoar.
    De qualquer forma, amei essa crônica. Mas, vou parar por aqui pois eu falo muito, e as vezes o "muito" é interpretado de forma negativa.

    Bjksssss max em vc minha lindona. **Si

    http://simplesmentesimoneblog.blogspot.com.br/

    http://eoceoi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Agatha,os valores sofreram as sua mutações advindas de tempos idos.Veja você que Jesus foi crucificado em uma cruz, em detrimento de naquela, época pregar as igualidades sociais.Pilatos vendo o seu poderio de reinado ameaçado,viu por bem elimina-lo com quanto ele sentia o seu reinado ameaçado por um jovem que falava a língua de um povo.Isto era nada mais nada menos do que Bullyng,ciúmes,e valores invertidos.Adão e Eva,quando abocanhou a sua maçã,segundo o conto da carochinha,sofreu bullyng do próprio Deus,expulsando-os do paraíso.Mais um dos valores invertidos já naquela época.Oscar wilde,como você sabe,foi um dos maiores poetas e escritor de sua época.Casou-se,teve filhos,mas o seu sonho de alçar voos mais altos,segundo a sua vontade de expressar a sua literatura aos quatro cantos,mudou-se par a França,onde veio a morar com um amigo,o qual veio a transformar em seu amante no período de alguns meses.O que lhe rendeu,uma longo e desgastante quatro anos de cárcere,devido a não aceitação da homossexualidade naquela época.O homem sapiens,ou seja o de Neandertal,já marcavam o seu território mostrando todo o seu poderio,afanando as fêmeas de outrem,assim mostrando já, os seus valores morais perante ao seu grupo.
    Hoje não difere muito dos idos tempos.Pessoas se aproximam de você,conhece todo o seu eu,para o pós difamá-la aos quatro cantos,pondo em questão as veracidades de seus atos e personalidades.Mas em tempo,louvo e consagro esta sua obra prima que nos qualifica toda as nossas revoltas à estas pessoas non gratas que desvirtuam o nosso poder de raciocínio,ou seja,o nosso poder de inteligência. Agatha,mais uma vez fica aqui comprovado a sua intelectualidade ímpar,levando a nos crer,que em breve estaremos vendo e ouvindo nos anais da literatura,uma das maiores escritoras de nossos tempos.

    ResponderExcluir
  12. Há momentos na vida que temos que abrir mão de tudo que fazia sentido, das nossas verdades e do que reputávamos como sendo os nossos valores. Constatamos que eles se tornaram inúteis ao nosso crescimento, já fazem parte do passado e a vida, não se detém olhando para trás, antes,
    caminha para a frente, em busca de novos acontecimentos.

    Há momentos na vida que todas as vigas mestras que asseguravam a nossa sustentação vêm abaixo e a casa cai,independente da nossa tácita recusa ou inaceitação.

    Há momentos na vida que ficamos sem saber para onde ir,
    que nada consegue nos alegrar, motivar ou seduzir e,
    em compasso de espera, vamos assistindo a fragmentação
    das nossas estruturas, agora transformadas em quimeras.

    Nestes momentos ( que têm o peso de uma eternidade),
    nada nem ninguém pode fazer nada por nós, estamos definitivamente vazios e sós, porque até a Natureza se cala e Deus perde a fala, indiferente ao nosso torpor.

    Em meio à dor, esmiuçamos o que sobrou de nós, remexemos entre os escombros e descobrimos que algo ainda não morreu.

    Tênue e frágil, lá está uma pequena centelha de esperança,
    aguardando uma virada do destino, que certamente nos surpreenderá com novas alegrias e com tantos outros desatinos.

    Luciano Bellocchi

    PS:. Achei Pertinente !!

    ResponderExcluir